terça-feira, 27 de outubro de 2009

Hajj 2009 - Arábia Saudita

Todos os anos, milhões de pessoas viajam para a Arábia Saudita para participar nas celebrações do Hajj, com peregrinações a Meca e Medina. Este ano a semana do Hajj terá início a 25 de Novembro.

Os viajantes com este objectivo devem ter em consideração que terão maior probabilidade de estar envolvidos em acidentes e que estarão em risco de contrair doenças infecciosas como meningite meningocócica e Gripe (incluindo Gripe A).

A vacina meningocócica quadrivalente é obrigatória para entrada no país e deverá ser administrada no mínimo 10 dias antes da data da viagem. Esta vacina é válida por 3 anos após a toma.


Fonte: cdc

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Últimos surtos de Dengue no mundo

FILIPINAS (Cordillera): Casos de dengue continuam a subir, com 858 casos registados, mais 211 que no mesmo período do ano passado.

PAQUISTÃO (Haripur): Morreram 7 pessoas por dengue e novos casos continuam a aparecer.

BAGLADESH (Dhaka): Todos os dias são admitidos nos hospitais uma média de 10 a 15 doentes com dengue.

MÉXICO (Jalisco): Numa semana, foram registados 340 novos casos de dengue, numa média de 2 pessoas infectadas por hora.

BRASIL (Rio Grande do Sul): Desde Janeiro foram ntificados 964 casos suspeitos de dengue, dos quais 705 foram já confirmados. Isto representa uma aumento de 312% em relação ao número de infectados em 2008.

BRASIL (Ceará): 31 novos casos de dengue na última semana, somando 4462 casos em 2009, incluindo 11 mortes.


Antes de viajar, informe-se ou consulte um profissional especializado em Medicina das Viagens.
Mais informações sobre o dengue em http://consultaviajante.ufp.edu.pt/

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Surto de Sarampo em Angola

A comuna do Yona, município do Tômbwa, província do Namibe, regista um surto de sarampo que fez até ao momento um óbito e deixou dez pessoas em estado grave.


O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa que afecta principalmente as crianças. É transmitida geralmente por tosse ou espirros de pessoas infectadas. Os primeiros sintomas surgem 8 a 12 dias após a infecção e incluem febre alta, congestão nasal e conjuntival e pequenos pontos brancos no interior da boca. Alguns dias depois desenvolve-se um rash que começa na face e pescoço e que gradualmente se espalha para baixo para o restante corpo.


Como o risco de exposição ao sarampo por viajantes pode ser elevado, todos os viajantes devem ser imunizados contra esta doença. A vacina do sarampo deve ser administrada segundo as normas da Direcção Geral de Saúde contidas no PNV (Plano Nacional de Vacinação), com algumas particularidades para o viajante com idade inferior a 9 meses, idoso e imunodeprimido. É ainda contra-indicada a mulheres grávidas e em pessoas com alergia à gelatina, neomicina ou que tenham verificado reacções adversas a doses anteriores da vacina.

O viajante que se desloque para países onde o sarampo é endémico deverá procurar aconselhamento especializado previamente à partida.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Mosquito Aedes na Europa


O mosquito Aedes albopictus é uma das espécies responsáveis pela transmissão do dengue e do chikungunya, doenças virais frequentes nos países tropicais. Embora ainda sem casos recentemente notificados na Europa, este insecto está a invadir a Albânia, Croácia, França, Grécia, Mónaco, Montenegro, Itália, São Marino, Eslovénia, Espanha e a Cidade-Estado do Vaticano. As autoridades de saúde europeias estão a monitorizar a presença do Aedes albopictus.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Febre Tifóide

Um artigo da autoria de investigadores do "Centers for disease control and prevention" (CDC- EUA) publicado a 26 de Agosto faz a caracterização dos casos de febre tifóide em viajantes norte-americanos no período de 1999-2006. Nestes doentes, a infecção por Salmonella Typhi (a bactéria causadora da febre tifóide) multirresistente foi um achado comum.

De grande relevância é o facto de a maioria das pessoas infectadas com estirpes resistentes desta bactéria ter história de viagem recente para países do Sul da Ásia, especificamente Índia, Paquistão e Bangladesh.
Este achado terá de ser tido em consideração na hora da decisão de vacinar os viajantes com destino aos países referidos.

Link para o artigo:


sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Diarreia em São Tomé

Um surto de diarreia está a atingir quatro distritos de São Tomé desde o início de Agosto. Todos os dias surgem dezenas de casos novos no Hospital Ayres de Menezes. Os casos já ultrapassaram os 1000 e, no dia 31 de Agosto, foi declarada epidemia no país. Nenhuma morte foi registada até agora.
O início das chuvas é tido como o factor desencadeante deste surto, num país com graves carências sanitárias, onde a água ingerida pela maior parte da população é de má qualidade.

Antes de viajar, informe-se junto de um médico especializado em Medicina das Viagens sobre os riscos e cuidados a ter durante a sua estadia: http://consultaviajante.ufp.edu.pt

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Excrementos das gaivotas do Porto perigosos para saúde pública

Um grupo de investigadores da Universidade do Porto concluiu que as gaivotas da orla costeira do Porto e Matosinhos deixam excrementos portadores de bactérias multi-resistentes aos antibióticos que podem contagiar seres humanos. O estudo encontrou uma enorme quantidade e diversidade de estirpes 'E. coli' multi-resistentes, relativamente às quais a maioria dos 20 antimicrobianos testados foram completamente ineficazes.

sábado, 29 de agosto de 2009

Transmissão do vírus Influenza A (H1N1)2009 de humanos para aves

No passado dia 23 de Agosto, o Instituto de Saúde Pública Chileno comunicou ao ProMED o 1º caso de isolamento do virus Influenza A (H1N1) de origem suína em perús.
A descoberta foi feita pela agência reguladora chilena SAG e a confirmação estudos genéticos estão a ser levados a cabo num laboratório de referência na capital chilena.

Nessa altura o laboratório confirmou que as características genéticas da hemaglutinina do vírus do perú demonstraram 98,9 a 99,5% de semelhança com a estirpe de referência [Influenza]A/California/4/2009 e 100% de semelhança com a estirpe responsável pela epidemia no Chile. Por outras palavras, o vírus isolado pela primeira vez em aves é geneticamente idêntico ao vírus que circula actualmente entre os humanos e que está na origem da pandemia iniciada em Abril deste ano. Podemos assim concluir que estamos perante o primeiro caso de transmissão do vírus A(H1N1) 2009 de humanos para aves.

Fonte: ProMED



quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Vacinação Gripe A (H1N1)v - Recomendações do Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP)

O Morbility and mortality weekly report (MMWR) do Centers for disease control (CDC) de 28 de Agosto de 2009, publica as recomendações para vacinação contra a gripe pandémica (H1N1)v do Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) .
Este comité identifica os seguintes cinco grupos alvo para vacinação inicial:
- grávidas;
- pessoas que residem ou que cuidam de crianças com idade inferior a 6 meses (pais, irmãos, educadores de infância, amas...);
- profissionais de saúde;
- indivíduos com idade compreendida entre 6 meses e 24 anos;
- indivíduos com idade compreendida entre 25 e 64 anos portadores de doença crónica.

Documento disponível aqui: http://www.cdc.gov/mmwr/



quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Gripe pandémica (H1N1) 2009

Em Portugal:
- Foram confirmados, até hoje, 1 833 casos da doença;
- A proporção de casos importados tem vindo a diminuir nos últimos dias, verificando-se o aumento da proporção de casos autóctones;
- 38% dos casos ocorreu em indivíduos com idades entre 20 e 29 anos e 29% no grupo dos 10 aos 19 anos;
- Nos países da UE e EFTA foram confirmados 40 156 casos e 63 óbitos;
- Em todo o mundo foram confirmados 243 587 casos de doença e 2 349 óbitos.

Fonte: Direcção Geral da Saúde

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Encefalite japonesa afecta a Índia

Durante o mês de Julho foram notificados mais de 200 casos de encefalite japonesa e 40 mortes em Uttar Pradesh, na Índia. A mortalidade da doença foi de 30 a 40%.


Os surtos de encefalite japonesa são geralmente circunscritos a uma pequena área e raramente duram mais que 2 meses. Múltiplos países têm sido afectados, incluindo a China, Coreia, Japão, Taiwan, Tailândia, Viet Nam, Cambodja, Myanmar, Índia, Nepal e Malásia.



Está disponível uma vacina que protege os viajantes de risco de contrair a encefalite japonesa. Viajantes com estadias superiores a 1 mês nas regiões asiáticas de maior risco (ver mapa acima), durante a época de maior transmissão, especialmente se viajarem para áreas rurais, devem tomar a vacina. Em certos casos, recomenda-se a vacina para estadias inferiores a 30 dias se o viajante se deslocar para uma área que esteja a passar por uma epidemia de encefalite japonesa e se este tiver contacto próximo com a população afectada ou pretender intensa actividade ao ar livre em meio rural.

Por ser uma doença transmitida pelo mosquito, o viajante deve tomar medidas preventivas como o uso de repelentes de insectos ou roupa protectora (ver em http://consultaviajante.ufp.edu.pt/)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Surto de Sarampo no Quénia

Pelo menos 30 casos de sarampo foram notificados no distrito de Fafi, nordeste do Quénia na últimas 6 semanas.

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa que afecta principalmente as crianças. É transmitida geralmente por tosse ou espirros de pessoas infectadas. Os primeiros sintomas surgem 8 a 12 dias após a infecção e incluem febre alta, congestão nasal e conjuntival e pequenos pontos brancos no interior da boca. Alguns dias depois desenvolve-se um rash que começa na face e pescoço e que gradualmente se espalha para baixo para o restante corpo.

Como o risco de exposição ao sarampo por viajantes pode ser elevado, todos os viajantes devem ser imunizados contra esta doença. A vacina do sarampo deve ser administrada segundo as normas da Direcção Geral de Saúde contidas no PNV (Plano Nacional de Vacinação), com algumas particularidades para o viajante com idade inferior a 9 meses, idoso e imunodeprimido. É ainda contra-indicada a mulheres grávidas e em pessoas com alergia à gelatina, neomicina ou que tenham verificado reacções adversas a doses anteriores da vacina.

O viajante que se desloque para países onde o sarampo é endémico deverá procurar aconselhamento especializado previamente à partida.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Descoberta nova variante do Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH-1)

Mais de 33 milhões de pessoas sofrem actualmente do Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), provocado pela infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) descoberto em 1980. São actualmente descritos dois tipos deste vírus: VIH-1 e VIH-2.
Estavam anteriormente descritas 3 variantes do VIH-1, conhecidas como M, N e O, derivadas da transmissão inter-espécies do vírus da imunodeficiência dos símios (SIV) encontrado em chimpanzés. A mais comum é a variante M, estando as restantes N e O maioritariamente confinadas aos Camarões.
No passado dia 2 de Agosto, foi publicado na revista Nature Medicine o resultado da investigação liderada pelo Dr. Christophe Plantier da Universidade de Rouen, França, onde é descrita uma nova variante do vírus que, ao contrário das 3 já conhecidas, parece ser o protótipo de uma linhagem derivada dos gorilas. Este vírus foi identificado numa mulher camaronesa a viver em França.
Os investigadores propõem que esta nova variante seja designada VIH-1 grupo P.

Link: http://www.nature.com/nm/journal/v15/n8/full/nm.2016.html

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Gripe A - Grávidas em maior risco

Enquanto que as mulheres grávidas já estão em risco aumentado durante as epidemias sazonais de influenza, este facto toma maior importância na actual pandemia que continua a afectar mais as idades mais jovens (ao contrário do que habitualmente acontece com a gripe sazonal).
Os dados recolhidos de pandemias anteriores reforçam a conclusão de que as mulheres grávidas constituem um grupo de risco, recomendando-se especial cuidado na prevenção da transmissão da doença e atenção ao aparecimento dos primeiros sintomas.

Neste momento, a distribuição da Gripe A (H1N1) é mundial.

Poliomielite - Actualização mundial

O CDC (Centers of Disease Control and Prevention) actualizou hoje as informações relativas à Poliomielite a nível mundial. A Poliomielite é neste momento uma doença reemergente em vários países mundiais. A doença causa parilisia e morte, pelo que a vacinação é fundamental.

A doença é causada por um microorganismo que vive no tubo digestivo. É transmitida pelo contacto com fezes de pessoas infectadas, ou pela comida ou água. Os viajantes não devem desvalorizar as medidas gerais de protecção no que respeita aos cuidados com a água e alimentação (ver aqui). É ainda importante lavar as mãos com água e sabão antes da refeição ou da preparação dos alimentos, e depois da ida à casa de banho, assoar o nariz ou espirrar.

É ainda recomendada dose de reforço da vacina da poliomielite a todos os que foram vacinados em crianças mas não em adultos, e que viajem para os seguintes países: Afeganistão, Angola, Bangladesh, Benin, Butão, Burkina Faso, Burundi, Camarões, República Central Africana, Chade, Congo, Costa do Marfim, República Democratica do Congo (RDC), Djibouti, Eritreia, Etiópia, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Índia, Libéria, Mali, Mauritânia, Namíbia, Nepal, Níger, Nigéria, Paquistão, Quénia, Ruanda, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão, Tanzania, Togo, Uganda e Zâmbia.


Casos globais de Poliomielite de 29 de Janeiro a 28 de Julho de 2009:

sábado, 1 de agosto de 2009

Chikungunya na Ásia - actualização

Desde Janeiro de 2009, um número crescente de casos de Chikungunya tem vindo a ser reportado no sudeste do continente asiático, sobretudo na Tailândia, Malásia e Índia.

Figura 1. Zonas endémicas de Chikungunya (a vermelho)

A doença é provocada por um vírus, transmitido pelo mosquito Aedes (tal como o Dengue), e provoca um quadro de febre e dores articulares generalizadas. Outros sintomas associados podem incluir eczemas cutâneos, cefaleias, dores musculares, vómitos ou diarreia. A doença, normalmente auto-limitada e com mortalidade muito baixa, pode originar, no entanto, dores articulares incapacitantes durante várias semanas.

Não existe vacina para a prevenção da doença. A única forma de prevenção são as medidas gerais de prevenção contra mosquitos (ver sítio da Consulta de Aconselhamento ao Viajante).

Em baixo, actualização dos principais países afectados:

Tailândia
De acordo com o governo tailandês, já foram reportados mais de 34 mil casos este ano, sobretudo na região sudeste do país, incluíndo algumas zonas turísticas (Phuket). Nenhuma morte foi reportada.

Malásia
Até meados de Julho deste ano, ocorreram mais de 2900 casos de Chikungunya, nas províncias de Kedah, Selangor, Kelantan, Perak e Sarawak.

Índia
No seguimento do post anterior, está actualmente a ocorrer uma epidemia viral de largas proporções no país, atingindo mais de 1 milhão de pessoas, e parte substancial presumivelmente devido ao Chikungunya. Os estados afectados são os de Gujarat, Karnataka, Goa e Kerala.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Epidemia de Chykungunya - Índia

Centenas de milhares de pessoas no estado de Kerala, no sudoeste Indiano, sofrem de uma febre de etiologia viral causada pela picada de mosquito.
Desde o início da época da Monção, cerca de 10 pessoas morreram vítimas desta doença na região. De acordo com os relatórios de saúde, cerca de 150 000 pessoas foram afectadas em poucos dias, estando o governo a tomar as medidas necessárias de forma a evitar a disseminação da doença.
Os distritos mais afectados são os de Malappuram, Kozhikode, Wayand, Kannur e Kasaragod

O Dr. Abdul Samad, superintendente do Hospital Distrital de Malappuram , referiu - Depois do início da monção, o número de pessoas com febre aumentou rapidamente, especialmente em Junho e Julho. Comparando com igual período do mês de Junho, deparamo-nos(em Julho) com um aumento de 100 vezes nos casos de febre de etiologia viral. Não se trata uma febre viral comum, podendo atribuí-la a Chykungunya que se está a disseminar na região".

Desde Janeiro deste ano que mais de 1 100 000 pessoas recorrerem aos hospitais da região com febre de etiologia viral, sendo a maior parte desta atribuída a infecções por Chykungunya, mas também a Dengue e Hepatite.

Fonte: Promed

domingo, 26 de julho de 2009

Estado brasileiro da Baía regista 629 casos de meningite este ano

Surto de Meningite na Etiópia

O Ministério da Saúde da Etiópia notificou um surto de meningite no norte do país, com 147 casos e 20 óbitos entre 17 e 21 de Julho de 2009.
A Etiópia é um dos países da África sub-sariana que são abrangidos pelo "cinturão da meningite", uma região com elevada prevalência da doença e onde ocorrem frequentemente epidemias, em ciclos irregulares de 5 a 12 anos


Vários factores concorrem para a distribuição de epidemias de meningite nesta região, nomeadamente a sáude débil da população, as condições climáticas (seca, tempestades de areia e poeira), as condições habitacionais pobres e sobrelotadas, bem como a localização de grandes aglomerados populacionais, incluindo campos de refugiados .

O agente mais comum da meningite é a bactéria Neisseria meningitidis. Esta bactéria pode causar inflamação nas membranas que revestem o sistema nervoso central (meningite) e infecção generalizada (meningococcemia). Existem 13 sorogrupos identificados de N. meningitidis, porém os que mais frequentemente causam doença são o A (80-85% de todos os casos em África), o B e o C (estes 2 serogrupos constituem a grande parte dos casos na Europa e na América), o Y e o W135 (epidemia em 2000 e 2001 em peregrinos do Hajj na Aránia Saudita e em 2002 no Burkina Faso, 80% dos casos pertenciam a este serogrupo).

Actualmente existe uma vacina tetravalente que fornece protecção aos serogrupos A, C, Y e W135 de Neisseria meningitidis. Esta vacina é recomendada a todos os viajantes que viagem para regiões de risco.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Dengue no Sudeste Asiático

Na Ásia existe um ciclo de 2 a 5 anos entre epidemias de Dengue, sobretudo no sul do Cambodja, China, Indonésia, Laos, Malásia, Myanmar, Filipinas, Tailândia e Viet Nam. A forma hemorrágica da doença está entre as principais causas de hospitalização infantil nestes países asiáticos, onde predomina em regiões urbanas e semi-urbanas.

No Myanmar morreram recentemente pelo menos 10 crianças devido ao dengue.
No Sri Lanka, o número de mortes por dengue subiu aos 180 entre cerca de 18.030 casos registados até Julho de 2009. Este número representa um crescimento muito acentuado da transmissão da doença, pois em todo o ano de 2008 contaram-se apenas 85 mortes em 4.156 casos de dengue no país.


É uma doença causada por um vírus transmitido pela picada de um mosquito, e a sua incidência mundial cresceu muito nas últimas décadas (cerca de 2/5 da população mundial está em risco de contrair esta doença, contando-se cerca de 50 milhões de casos anualmente). Não existe tratamento específico ou vacina para o dengue. A única maneira de prevenir a infecção é combatendo o mosquito, quer evitando a acumulação de água em diversos contentores (cisternas, algeirós, vasos, pneus, recipientes vários abandonados no exterior) que vão alojar as larvas do mosquito, quer pela aplicação de insecticidas nesses contentores. Por outro lado, cada indivíduo deve tomar medidas individuais de prevenção da exposição à picada do mosquito (ver http://consultaviajante.ufp.edu.pt/).

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Surto de leptospirose no Ceará, Brasil

Até ao passado dia 10 de Julho, o número de infectados com leptospira ascendeu a 57, atingindo 76% do total de casos registados em 2008 (75 casos), num surto que já causou 7 mortes. Mais de metade dos casos foi confirmada em Fortaleza.

A leptospirose é uma doença bacteriana transmitida pela urina e fluídos de parto de animais infectados. A leptospira entra no organismo humano através de cortes ou abrasões na pele, mucosas (por exemplo, boca) e conjuntiva. A ingestão de água contaminada também pode ser causa de infecção.

Viajantes que participam em actividades de recreio aquáticas, tais como rafting, canoagem, kayak e canyoning, podem estar em risco de contrair a leptospirose, especialmente após períodos de chuva intensa ou cheias (mesmo em regiões que anteriormente não eram consideradas endémicas).


Os primeiros sintomas podem aparecer 7 a 15 dias após o contacto e incluem febre, calafrios, dores de cabeça, dores musculares, náuseas, diarreia e olho vermelho. As manifestações clínicas podem ser semelhantes a uma simples gripe, mas se o início do tratamento específico para a leptospirose for atrasado, pode sobrevir disfunção de múltiplos orgãos e agravar a situação clínica.

As medidas de prevenção recomendadas aos viajantes incluem o uso de roupa protectora, cobrir cortes e abrasões com pensos e minimizar o contacto com água potencialmente contaminada. Não existe vacina disponível, mas pode aconselhar-se junto de um médico das viagens sobre a possibilidade de fazer medicação preventiva.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Gripe A (H1N1) - Recomendações para viajantes

Viajantes com elevado risco para complicações por Gripe A incluem:
  • Crianças com menos de 5 anos
  • Pessoas com mais de 65 anos
  • Crianças e adolescentes que estejam medicados com aspirina
  • Grávidas
  • Doentes imunodeprimidos (por medicação imunossupressora, corticoterapia ou doentes seropositivos a HIV)
  • Indivíduos com doença pulmonar crónica, cardiovascular, hepática, hematológica, neurológica, neuromuscular ou metabólica (incluindo a Diabetes)

Estes viajantes devem procurar aconselhamento junto de um médico, para discutir a situação de Gripe por H1N1 no destino e as medidas de prevenção do contágio.

Os viajantes que não se enquadrem neste grupo, devem tomar certas precauções, antes, durante e após a viagem, como a seguir se descreve.

Antes da viagem
  • Esteja informado sobre a situação actual da gripe A no país de destino (ver mapa abaixo).
  • Saiba que a época da gripe no hemisfério sul é entre Abril e Setembro, e que os casos de gripe A pela nova estirpe do vírus influenza (H1N1) estão a aumentar nesse hemisfério.
  • Confira e actualize as suas vacinações, incluindo a vacina sazonal da gripe.
  • Conheça os outros riscos de saúde e recomendações para o viajante no país de destino.
  • Se a estadia for prolongada e fora da União Europeia, pondere fazer um seguro de saúde que inclua cuidados de saúde, medicamentos e evacuações médicas em viagens internacionais. Se viaja na União Europeia, Espaço Económico Europeu ou Suíça, faça-se acompanhar do Cartão Europeu de Seguro de Doença.
  • Leve um kit de saúde de viagem, que inclua a medicação necessária e artigos de primeiros socorros.
  • Se tiver sintomas de gripe, fique em casa e evite viajar nos 7 dias s eguintes ou até 24h após ter ficado assintomático (serve para evitar que infecte outras pessoas).
Durante a viagem
  • Lave as mãos frequentemente, com sabão e água corrente, especialmente após tossir ou espirrar. Em alternativa, use toalhetes com álcool ou solu ções alcoólicas (álcool a 60%) para desinfectar as suas mãos.
  • Cubra a boca e nariz com um lenço quando espirrar ou tossir e, em seguida, coloque esse lenço no lixo. Se não tiver lenço, proteja-se com a manga da camisola.
  • Evite contacto próximo com pessoas doentes.

Após a viagem

  • Esteja atento aos sintomas de gripe nos 7 dias seguintes.
  • Se tiver sintomas (febre, tosse, espirros, dores de garganta, dores de cabeça, nos músculos e articulações, arrepios, fadiga, diarreia e vó mitos) fique em casa e ligue Linha de Saúde 24 (808 24 24 2 4). Se for a um serviço de saúde, peça uma máscara e coloque-a.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Febre Q na Holanda

O Instituto Nacional de Saúde Pública Holandês, declarou a 3ª epidemia de Febre Q no país desde 2007, sendo que no presente ano e até 10 de Junho já haviam sido registados 1133 caso humanos da doença (contra os 190 casos registados em 2007 e os 1000 de 2008).
A maior parte dos casos são referentes à região norte da província de Barbant, no sul do país, no entanto, há relatos noutras regiões tais como Limburg, Utrecht e Gelderland (ver mapa abaixo).

Tratando-se a febre Q de uma zoonose, ou seja, uma doença habitualmente contraída através do contacto com animais doentes (geralmente gado) o CDC aconselha as seguintes medidas a todos os viajantes que se desloquem à Holanda:

- Evitar as quintas das áreas afectadas, sendo que, caso isto não seja possível, evitar o mais possível aproximar-se dos animais doentes (assim como de locais onde eles possam ter estado).

- Ingerir apenas leite ou lacticínios pasteurizados.

- Lavar bem as mãos com sabão caso tenha estado em contacto com animais potencialmente doentes.

A febre Q tem um tempo de incubação de 2 a 5 semanas, caso tenha viajado para a Holanda e se sentir doente após o regresso, contacte um médico o mais rapidamente possível, referindo que se deslocou a esse país.



domingo, 28 de junho de 2009

Alerta da DGS sobre a Gripe A (H1N1)

"Nova estirpe do vírus da Gripe A(H1N1):
- Em Portugal foram confirmados 9 casos da doença, todos importados, sendo 1 do México, 3
dos EUA, 2 do Canadá, 2 da Argentina e 1 de Espanha;
- Em todo o mundo foram confirmados 54232 casos da doença e 257 óbitos;
- Nos países da UE e EFTA foram confirmados 4947 casos, sendo a Espanha e o Reino Unido os
que notificaram maior número;
A vigilância da gripe foi intensificada em todos os países, foram activados os planos de contingência e tomadas medidas de controlo da infecção e de minimização dos impactos sociais e económicos da pandemia.
A OMS elevou, em 11 de Junho, o nível de alerta pandémico para a Fase 6."

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Gripe A (H1N1) - Recomendações a viajantes

O governo Federal do Brasil recomenda aos brasileiros que evitem viajar para Argentina, Chile, Estados Unidos, México, Canadá e Austrália. A OMS (Organização Mundial de Saúde) confirma que estes países têm transmissão sustentada. Os EUA aparecem em primeiro lugar na lista dos países mais afetados pela doença (21.449 casos confirmados), seguido por México (8.279), Canadá (6.732), Chile (5.186) e Austrália (3.000). A Argentina aparece em sétimo lugar na listagem, com 1.391 casos.
O Ministério da Saúde brasileiro reafirma, no entanto, que não há proibição nem restrição de trânsito de pessoas entre o Brasil e esses países, e acrescenta que a recomendação é uma medida adicional de prevenção, tendo como base critérios epidemiológicos e o aumento, com a proximidade das férias de inverno, da circulação de turistas brasileiros em países com transmissão sustentada da doença.
Devem evitar estes países, principalmente, crianças menores de dois anos de idade, idosos, grávidas, pessoas com imunodepressão (por exemplo, doentes oncológicos, em tratamento para SIDA ou em uso regular de corticosteróides), além de pacientes que tenham diabetes, cardiopatia, doença pulmonar ou renal crónica.

Em Portugal, num comunicado do Gabinete da Ministra da Saúde datado do dia 25 de Junho, é feito um ponto da situação da evolução da infecção pelo vírus H1N1, em que se contam 6 casos suspeitos em investigação laboratorial, além dos 7 casos já confirmados de Gripe A no nosso país. Contudo, Portugal mantem-se à margem do cenário de pandemia (fase 6) indicado pela Organização Mundial de Saúde e o Ministério da Sáude português ainda não propôs restrições de viagens.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Conselhos da DGS para a Gripe A (H1N1)


Conselhos da Direcção Geral de Saúde para contensão da Gripe A (H1N1):
- Se apresentar sintomas de gripe e tiver viajado para áreas afectadas (ver mapa abaixo) ou tiver contacto com alguém doente com Gripe A, fique em casa e ligue Linha de Saúde 24 (808 24 24 24). Se for a um serviço de saúde, peça uma máscara e coloque-a.
- Lave as mãos com frequência, sobretudo após tossir e espirrar, e antes das refeições. Utilize água e sabão ou soluções à base de álcool.
- Quando tossir ou espirrar cubra a boca e o nariz com lenço de papel de utilização única ou com o braço e nunca com as mãos.
- Coloque os lenços de papel usados no caixote do lixo e lave as mãos a seguir.

domingo, 21 de junho de 2009

Surto de Cólera - Angola (Província do Bengo)

O director de Saúde Pública da província do Bengo, Mbala Kunsunga, revelou ontem na cidade de Caxito, capital daquela província, que a doença que vitimou cinco pessoas e obrigou ao internamento de cinquenta outras se trata de um surto de cólera.
A doença ter-se-á instalado no seio da comunidade da província desde o passado dia 29 de Maio. Amostras de produtos biológicos foram enviadas ao Laboratório Nacional de Saúde Pública, que confirmou tratar-se de cólera.

O responsável informou que os casos mais relevantes foram registados nos bairros Kawango, com nove, Mifuma (8), Porto Kipiri (5), Kixiquela, Kitonhe, Kimaria e Kijão Mendes com três casos cada durante aquele período.

Se tenciona viajar para Angola, receba todo o aconselhamento na Consulta do Viajante da Universidade Fernando Pessoa.

Fonte: ProMed

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Cólera

No primeiro semestre de 2009 foram relatados surtos de cólera no Vietnam, Angola, Moçambique, México (Morelos), Togo, Quénia, Etiópia, Zimbabwe e Paraguai.
Mais recentemente, contam-se surtos de cólera no Nepal, Índia, Somália, Burundi e Uganda.

A cólera é uma infecção intestinal altamente contagiosa que se transmite frequentemente através da água. Embora facilmente tratada, pode ser rapidamente fatal se o doente não for assistido atempadamente, especialmente crianças e idosos.

É importante que o viajante conheça quais os cuidados que deve ter quando se desloca para regiões de risco.
Essas informações estão disponíveis em: http://consultaviajante.ufp.edu.pt/

Peste Bubónica na Líbia

Um surto de Peste Bubónica está a afectar a Líbia, afectando já 16 a 18 pessoas desde a última semana, na região de Boutronp. O país vizinho, Egipto, já fechou a sua fronteira com a Líbia nas proximidades do porto líbio
de Tobruq. A cidade egípcia de Sallum, na fronteira com a Líbia esta sob quarentena.

A Peste Bubónica é causada por uma bactéria e é transmitida aos humanos por moscas e contacto com roedores, ou por contacto com uma pessoa doente. A OMS regista em todo mundo apenas 1000 a 3000 casos por ano, em pequenos surtos em áreas de pobres condições sanitárias, quer em meio rural, quer em meio urbano.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Influenza A (H1N1) - Portugal


Nova estirpe do vírus da Gripe A(H1N1)v:
- Dois novos casos confirmados em Portugal hoje, elevando para 5 o total de casos identificados,
sendo todos importados (1 do México, dois dos EUA e dois do Canadá);
- 36688 casos confirmados em todo o mundo, com 167 óbitos;
- 2576 casos confirmados nos países da EU e EFTA, sendo a Espanha e o Reino Unido os que notificaram maior número de casos; 692 casos de transmissão secundária ou terciária.

A vigilância da gripe foi intensificada em todos os países, foram activados os planos de contingência e foram tomadas medidas de controlo da infecção.

A OMS elevou o nível de alerta pandémico para a Fase 6


Fonte: Direcção Geral de Saúde.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Estudo "RAGIDA" avalia o risco de infecção durante uma viagem aérea


Qual a probabilidade de contrair uma doença infecciosa no decorrer de uma viagem de avião? Será que o facto de viajarmos no mesmo avião que transporta um passageiro doente num lugar algumas filas adiante do nosso, levará a que invariavelmente fiquemos doentes? Serão as doenças transmitidas por partículas respiratórias mais facilmente disseminadas no interior de uma cabine de avião, dada a menor distribuição e a baixa humidade do ar no seu interior.

Apesar da noção generalizada de que o viajante enclausurado funciona como um agente incubador de doenças, a maioria dos estudos científicos demonstram o contrário. Os factores determinantes para transmissão de doenças respiratórias e os níveis de infecção não são, na sua generalidade superiores ou diferentes dos observados em terra.

Contudo, continuam a existir várias razões para se estabelecer um sistema de vigilância epidemiológica. Existem vários casos documentados de transmissão de doenças a bordo de aviões e quando uma situação que implique risco para a Saúde Pública é detectado, a identificação e o contacto dos passageiros transportados no mesmo voo constituem medidas essenciais para a contenção da transmissão/doença.

O estudo RIGIDA (risk assessment guidelines for infectious diseases transmitted on aircraft) contempla algoritmos desenvolvidos com o intuito de permitir aos especialistas, a prevenção e o controlo eficientes de uma panóplia de doenças com potencial de disseminação a bordo de um avião.

Para os interessados aqui fica o link que dá acesso ao documento:

http://www.ecdc.europa.eu/en/files/pdf/Health_topics/0906_TER_Risk_Assessment_Guidelines_for_Infectious_Diseases_Transmitted_on_Aircraft.pdf



Aumentam os casos de Dengue na Tailândia

Um surto de Dengue na região de Mae HongSon está a preocupar as autoridades de saúde da Tailândia. Em 2009 foram detectados cerca de 155 novos casos de Dengue nessa região, que ultrapassa já 2 vezes o número atingido durante todo o ano de 2008.

A contenção deste surto será possível usando as mesmas medidas gerais de prevenção de exposição ao mosquito Aedes recomendadas a todos os viajantes: uso de repelentes de insectos contendo DEET, dormir sob redes mosquiteiras e trocar semanalmente as águas paradas em vasos e outros recipientes que acumulem água das chuvas.
Outras províncias mais afectadas pelo Dengue são: Nonthaburi, Pathum Thani, Chachoengsao, Chanthaburi, Rayong, Samut Prakan, NakhonNayok, Ratchaburi, Nakhon Pathom, Prachuap Khiri Khan, Samut Sakhon,Buri Ram, Surin, Khon Kaen, Roi-et, Ubon Ratchathani, Si Sa Ket,Sakon Nakhon, Nakhon Sawan, Phichit, Lamphun, Surat Thani, Chumphon,Ranong, Phangnga, Krabi, Songkhla, Narathiwat e Bangkok.
Nos primeiros 5 meses deste ano, registaram-se 14.329 casos em toda a Tailândia, incluindo 17 mortes.

Além do Brasil, cuja epidemia de Dengue já foi destacada noutro post deste blog, também as ilhas Maurícias se vêm a braços com um surto da mesma doença.

Antes de viajar, informe-se sobre os cuidados a ter na região de destino, consulte um especialista em Medicina das Viagens.

domingo, 14 de junho de 2009

Surto de Sarampo em Angola


A cidade de Luanda regista um surto epidémico de sarampo, cujo foco está na zona de Viana. Nas últimas semanas foram notificados 100 casos, 12 dos quais comprovados laboratorialmente.
Nos últimos dias registou-se um abrandamento na propagação da epidemia e não foram registados novos casos. As medidas tomadas para conter o surto consistiram na vacinação de crianças com idade vulnerável ao contágio do sarampo e residentes no perímetro em que os casos foram identificados.

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa que afecta principalmente as crianças. É transmitida geralmente por tosse ou espirros de pessoas infectadas. Os primeiros sintomas surgem 8 a 12 dias após a infecção e incluem febre alta, congestão nasal e conjuntival e pequenos pontos brancos no interior da boca. Alguns dias depois desenvolve-se um rash que começa na face e pescoço e que gradualmente se espalha para baixo para o restante corpo.

Como o risco de exposição ao sarampo por viajantes pode ser elevado, todos os viajantes devem ser imunizados contra esta doença. A vacina do sarampo deve ser administrada segundo as normas da Direcção Geral de Saúde contidas no PNV (Plano Nacional de Vacinação), com algumas particularidades para o viajante com idade inferior a 9 meses, idoso e imunodeprimido. É ainda contra-indicada a mulheres grávidas e em pessoas com alergia à gelatina, neomicina ou que tenham verificado reacções adversas a doses anteriores da vacina.

O viajante que se desloque para países onde o sarampo é endémico, Angola, por exemplo, deverá procurar aconselhamento especializado previamente à partida.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Encefalite transmitida por carraças - actualização das áreas de risco na Alemanha


No seu boletim do dia 4 de Maio de 2009, o Instituto Robert Koch, Alemanha, publica um mapa actualizado das áreas de risco para a Encefalite transmitida por carraças (TBE) naquele país.
As áreas de risco são, por definição, zonas onde a TBE é endémica e onde existe um elevado risco de exposição a carraças, justificando a adopção de medidas preventivas.
Essas medidas incluem a vacinação de residentes expostos a carraças, viajantes para áreas de risco e indivíduos em risco de exposição ocupacional.
O mapa actualizado mostra que a área de risco de infecção pelo vírus da TBE inclui as regiões do sul da Alemanha, em particular os estados de Baden-wurttemberg e Bavaria.

Fonte: Eurosurveillance
Artigo: Robert Koch-Institut. [TBE: Risk Areas in Germany] [In German] Epid Bull 2009;18:165-72

Situação actual, Gripe A (H1N1)

OMS declara que Gripe A é uma Pandemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, esta tarde, que a Gripe A é uma pandemia, elevando o alerta para o nível 6, o máximo.
O nível seis não implica maior severidade do vírus, mas indica que a doença se propaga de forma global. Nesta fase, a estratégia passa pela "minimização do impacto, através da implementação de medidas de adequação da resposta dos serviços prestadores de cuidados de saúde e de medidas de saúde pública, no que respeita à triagem e atendimento dos doentes", segundo o Plano de Contingência da Gripe da Direcção-Geral de Saúde (DGS).

A esperada declaração de pandemia é a confirmação de que um novo vírus emergiu e que rapidamente circula por todo o mundo. Pretende-se que estimule as farmacêuticas a acelerarem a produção de uma vacina para a gripe em causa e levará os governos a dedicar mais dinheiro aos esforços para conter o vírus.

As implicações imediatas para os portugueses são praticamente nulas, uma vez que a situação no nosso país está ainda muito longe da realidade de outros países, sendo que, desde 24 de Abril se registaram apenas 2 casos de gripe A.

Os viajantes deverão manter as mesmas precauções aconselhadas até ao momento seguindo as directivas da OMS/DGS enumeradas neste nosso anterior "post" - http://consultaviajanteufp.blogspot.com/2009/05/gripe-suina.html




segunda-feira, 8 de junho de 2009

Aconselhamento ao Viajante com destino a Angola


Todos os viajantes que se queiram deslocar a Angola devem ir a uma consulta do viajante 4 a 8 semanas antes da Partida.

Deve ser feita a profilaxia da Malária com Mefloquina; Proguanil+Atovaquona ou Doxiciclina.

Imunizações(vacinas):

- Hepatite A: Recomendada a todos os viajantes não imunes.
- Febre Tifóide: Recomendada a todos os viajantes.
- Febre Amarela: Exigida a todos os viajantes.
- Meningite Meningocócica: Recomendada a todos os Viajantes.
- Poliomielite: Recomendado o reforço a todos os adultos vacinados quando crianças, mas que nunca foram vacinados enquanto adultos.
- Hepatite B: Recomendada a todos os viajantes.
- Raiva: Imunização apenas recomendada a viajantes com elevado risco de sofrer mordeduras de animais ou cujas actividades possam implicar um estreito contacto com morcegos.

Para mais informações ir a http://consultaviajante.ufp.edu.pt/

Detectada malária resistente às Artemisinas no Combodja


Um estudo clínico realizado no Cambodja Ocidental pelo AFRIMS (
US Armed Forces Research Institute of Medical Science), tem revelado uma crescente resistência às artemisinas por parte do Plasmodium.
Dos cerca de 90 doentes até ao momento incluídos no estudo, cerca de 1/3 mantinha parasitemia após 3, 4 e em alguns casos mesmo 5 dias de tratamento com o fármaco, que habitualmente elimina o parasita em 2 dias.

Estes resultados preliminares do estudo necessitam de uma abordagem mais aprofundada, no entanto, o facto das últimas 2 gerações de fármacos anti-maláricos estarem já minadas por resistências em várias regiões endémicas, aliado ao facto destas resistências terem tido o seu início exactamente no Cambodja Ocidental, preocupam sobremaneira todos aqueles que lidam com a doença.

Dengue Brasil - Cuiabá (Mato Grosso)


Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, caminha este ano para as 7 mil notificações de Febre do Dengue. De acordo com os últimos dados revelados pela Secretaria Municipal de Saúde, estão já notificados e confirmados em 2009 6.904 casos. Embora a taxa de cura para estes casos esteja próxima dos 90%, uma rápida comparação revela que a situação em Cuiabá é alarmante. Em apenas 6 meses, estão notificados mais do dobro de casos registados durante todo o ano de 2003.

A causa deste aumento exponencial de casos é ainda uma incógnita mas poderá estar relacionada com a reintrodução do serotipo II do vírus do Dengue.

O serotipo II do vírus do Dengue é o mais perigoso e estava fora de circulação desde 2003 no estado de Mato Grosso. Este facto pode explicar o porquê das crianças terem sido as mais frequentes vítimas fatais da doença, já que não tiveram contacto prévio com o vírus e consequentemente não desenvolveram qualquer resistência imunológica.




sexta-feira, 5 de junho de 2009

Ciclo de vida da Malária e Profilaxia



Animação ilustrativa do ciclo de vida da Malária e sua profilaxia.
O audio encontra-se em inglês.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Poliomielite em África e Ásia

A poliomielite é uma doença viral que envolve o tracto gastro-intestinal e ocasionalmente o sistema nervoso central, conduzindo a paralisia flácida aguda de um único membro, tetraplegia, falência respiratória e, raramente, pode tornar-se fatal. Contudo, em 95% dos casos, a infecção é assintomática. A sua transmissão é predominantemente fecal-oral, isto é, através de contacto com fezes ou material contaminado com fezes (por exemplo, terra, alimentos ou água) de indivíduos doentes.

Após o aparecimento da vacina, a poliomielite foi erradicada na maior parte dos países do mundo. Porém alguns países continuam endémicos para esta doença, com aparecimento de casos esporádicos ou de pequenos surtos.

País

Total de
casos em
2008
Data de
início do
caso mais recente
Índia559 7 Maio 2009
Paquistão117 6 Maio 2009
República Centro-Africana3 3 Maio 2009
Nigéria799 24 Abril 2009
Sudão26 20 Abril 2009
Afeganistão31 19 Abril 2009
Quénia0 12 Abril 2009
Costa-do-Marfim1 12 Abril 2009
Angola29 11 Abril 2009
Guiné0 9 Abril 2009
Benim6 9 Abril 2009
Burkina Faso6 2 Abril 2009
Chade37 1 Abril 2009
Togo3 28 Março 2009
Niger12 23 Março 2009
Uganda0 21 Fev. 2009
Rep. Democrática do Congo
5 10 Fev. 2009
Mali1 4 Janeiro 2009
Gana8 8 Novembro 2008
Nepal6 15 Outubro 2008
Etiópia3 27 Abril 2008

Em 2007, um viajante Australiano importou poliomielite para o seu país após uma viagem ao Paquistão. Entre 2003 e 2006, a poliomielite foi importada por viajantes para 24 países que tinham obtido erradicação da doença. A origem destas importações foi sobretudo o Afeganistão, a Índia, a Nigéria e o Paquistão. As importações resultaram em cerca de 1.400 casos secundários.

Recomenda-se a vacinação a todos os viajantes que se desloquem para países endémicos ou regiões epidémicas, nomeadamente África, Sul e Sudeste Asiático e Médio Oriente, pelo que devem consultar um especialista em Medicina das Viagens.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Raiva Humana - Angola (província do Bié)

As autoridades de saúde angolanas revelaram no passado dia 30 de Maio o registo de cinco mortes por raiva no período de Janeiro a Maio de 2009.
Três dos casos foram registados no município de Kuito e os outros dois em Kamacupa e Chinguar. No mesmo período as autoridades sanitárias detectaram e abateram 5 cães portadores de raiva.

Já em meados de Fevereiro havia sido noticiado um surto de raiva na capital angolana que terá causado em dois meses pelo menos 60 mortos, sobretudo crianças em idade escolar, as vítimas mais frequentes dado o seu mais íntimo contacto com animais.

A raiva é uma zoonose causada por um vírus da família Rhabdoviridae, género Lyssavirus. Este vírus está tipicamente presente na saliva de mamíferos infectados e é transmitido através da mordedura destes animais.
Após penetrar no hospedeiro, o vírus atinge o Sistema Nervoso Central causando uma encefalomielite progressiva invariavelmente fatal. O período de incubação em humanos é geralmente de algumas semanas a meses, mas pode variar de dias a anos.
Como resultado da optimização dos programas de vacinação animal após a 2ª guerra mundial, assistiu-se nos países desenvolvidos a uma diminuição marcada do número de casos em humanos. Esta tendência não foi contudo registada nos países em vias de desenvolvimento, onde a incidência da doença se mantém elevada.

A vacinação pré-exposição contra a raiva é, segundo o Centers for disease control (CDC) indicada a indivíduos pertencentes a grupos de alto risco como os veterinários e técnicos de laboratório seleccionados. Para além destes, a vacina deve ser administrada a pessoas cujas actividades os colocam em contacto frequente com morcegos, gatos ou cães, entre outros mamíferos.
Alguns viajantes internacionais poderão ser candidatos à vacinação anti-rábica, nomeadamente se é grande a probabilidade de contacto com animais infectados em áreas onde a raiva é enzoótica e o acesso imediato a cuidados de saúde adequados é limitado.
A profilaxia pré-exposição de rotina para todos os viajantes para áreas onde a doença não é enzoótica, NÃO É RECOMENDADA!

Fontes: ProMed e CDC em 02/06/2009

Situação actual, Gripe A (H1N1)